Meus pequenos e amados livros

O maior pressuposto de voltar à ativa no blog é postar!, então quero muito dividir esse particular momento da minha “vida de leitora” com vocês, que ocasionalmente passam aqui e me fazem tão feliz.

Nunca tive tantos textos e livros para ler na minha vida! Sei, isso parece uma alegria… mas não é sempre assim, já que muitas dessas leituras são específicas ou do trabalho, ou (e, muito principalmente) do Mestrado.
Eu adoro meu Mestrado, adoro estudar literatura russa, poesia, teoria da poesia e da tradução… mas há momentos em que tudo o que eu quero é ler um romance, uma história que me divirta, me acrescente e me afaste, um pouquinho, do meu objeto de estudo.
Acho que esse afastamento é muito importante, faz a gente recarregar as baterias. Mas tenho consciência de que tenho que focar meu tempo nos estudos, então não posso ficar muitas horas do dia, que já é corrido, lendo longos romances. Pelo menos, por enquanto…
Então, nesses últimos dias, mais atarefados, estive focada em ler pequenas histórias, que me ajudam a espairecer, a curtir, a relaxar e voltar com força pras leituras obrigatórias. Além disso, comecei a me interessar por livrinhos pequenos, mas substanciosos, se é que vocês me entendem.

Pensando nisso, preparei uma listinha com o que comprei, li e o que quero comprar e ler.

Pequenos que tenho e/ou li: 

A contadora de filmes

O livro conta a história de Maria Margarita, filha caçula (e única menina) de um mineiro chileno, já aposentado por invalidez. Com a chegada do cinema nessa cidade, cuja a única ocupação é o trabalho nas minas, Maria descobre sua verdadeira paixão, sua vocação, mas também conhece o sofrimento e a frustração. O livro tem 106 páginas, e um formato quase pocket. O miolo é lindo, imita a tela do cinema… Uma graça. Li e já faço resenha!

Bonsai

A ideia é manter na literatura somente o que a faz ser, de fato, literatura. Sem adjetivos supérfluos, sem fru-frus, sem reviravoltas e surpresas no final. Parece trecho das cartas de Tchékhov sobre como ser escritor, eu sei, mas é a proposta de Bonsai, livro de estréia de Alejandro Zambra (nome já confirmadíssimo na FLIP – que tá chegando!!!). Li numa sentada, num domingo de noite. E amei! Delícia de história, de projeto gráfico, de belezura… ❤

Lady Macbeth no distrito Mtzensk

Não achei uma imagem menor =/

AMEI MUITO! Li já faz um tempo, mas nunca poderia deixar de fora da minha lista de pequenos-e-amados, pois foi meu primeiro livro lido numa só sentada, num fôlego só. E é russo <3! Leskóv é um grande autor russo ainda muito pouco conhecido nas nossas terras. E nesse livrinho, ele nos conta a história de Catierina Lvovna, uma pacata esposa que se torna “Lady Macbeth” (que, coincidência ou não, é minha personagem preferida de Shakespeare – ou melhor, minha personagem preferida de tudo o que li de Shakespeare até hoje!).

Bartleby, o escrivão

Desse, não posso dar resuminho. Ainda não li… Mas já comprei e ele tá lá, na estante, sorridente. Esse título faz parte de uma coleção linda que se chama Coleção Particular da Cosac Naify. É uma coleção de textos curtos (oi!) e todos com um design fora do normal. No caso de Bartleby, sua “anormalidade” é: a capa precisa ser aberta, descosturada e as páginas precisam ser cortadas, refiladas, com uma espátula que já vem junto com o livro. Ainda não abri tudo porque quero mostrar em vídeo como isso funciona.

Pequenos que quero-muito-já-agora

Evidentemente a Coleção Particular está consoante com esse meu momento. Então, desejo dois títulos de lá, assim, pra ontem:  Zazie no metrô (de Raymond Queneau) e Primeiro amor (de Beckett). Esses títulos tem projetos gráficos lindos, vale o clique!

A coleção 64 Páginas da L&PM também não poderia ficar de fora, uma vez que eles estão lançando títulos massas, curtinhos e custando cinco reais! Não são livros lindos, de capas incríveis, mas as traduções são confiáveis e, bem, são cinco pratas! Vocês já conhecem a coleção? A lista de títulos em catálogo está aqui. Nem vou colocar todos que quero porque, NÉ, vai lotar o post!

Agora, diga aí. Vocês gostam de ler livrinhos mais breves ou curtem mais uns grandes romances? Dê a letra aí nos comenários =)

(Posso confessar? Acho que logo mais vai bater uma abstinência de romanção… aí quero ver, vou correr pro Guerra e Paz, Ulysses…)

Anúncios

14 respostas em “Meus pequenos e amados livros

  1. Ok, fiquei completamente curioso pelo “Bartleby, o escrivão”, como eles fizeram um trem desse? Minha curiosidade foi tanta que cliquei feliz e contente (e consciente que compraria mais livro) no link do site da Cosac e ESTÁ INDISPONÍVEL – eu fiquei olhando pro site, pro link e pro blog como uma cara de “chatiado”. Mwuahahahahahaahahahhaa.
    Tudo bem, eu acho em algum lugar – a noite que me espere, e que meu patrão me perdoe pelos meus olhos de zumbi-leitor.-
    O outro que eu quero com muito vigor é o “Bonsai”, se não posso ter a árvorezinha, que eu tenha então o livro! Só pra dizer que tenho um Bonsai na estante! Ok, fui longe, mas a história me chamou a atenção (e que capa linda!)
    Adorei as dicas, e boa sorte no Mestrado, logo estarei na Graduação em Letras – E morrendo de medo de muitas coisas sobre o Curso, enfim. –
    Beijão. 🙂

    • Jon,
      Acho que você ainda deve encontrar o Bartleby em alguma livraria. Procura na Cultura, Fnac… =)
      E o Bonsai vale a empolgação! É tão animal!
      Quer dizer, então, que você é colega acadêmico? Bem, seja bem vindo ao curso! ❤
      Beijos e obrigada pela visita!

  2. Se o livro é substancioso como vc falou, o tamanho é o que menos importa, né?
    Também fiquei curiosa com o projeto gráfico do Bartleby. Faz logo o vídeo! x)
    Beijos

    • HAHAHA Vou fazer, pode deixar =)
      Mas tô numa situação complicada. Quero ler o livro, mas não posso porque ele é “lacrado” e se eu cortar as páginas, vou ler, mas não vou poder mostrar no vídeo. aiai!
      hehehe
      Beijos, Mimi!

  3. Sou mais uma curiosa com o Bartleby! haha
    Eu gosto desses livrinhos menores, mas também sou assim, volta e meia sinto falta de um romanção. E é até engraçado que você tenha escrito sobre os pequenos grandes livros, porque justamente agora eu estou lendo o maior livro da minha vida (e olha que já li Anna Karenina): O Conde de Monte Cristo. E adorando!

    • Bartleby criando expectativas!
      Nossa, sempre quis ler O Conde de Monte Cristo, Thami! Arrasou na escolha.
      (Pessoalmente, acho que não bate Anna Karênina, mas vamos lá!).
      Beijocas!

  4. Quero ler “A contadora de filmes” agoraaa *-*
    Queria comprar toda a coleção 64 páginas, mas por enquanto só comprei o do Tchékhov 😡
    Gosto de estar lendo sempre pelo menos um livro pequeno, porque é mais tranquilo de levar na bolsa… mas com a quantidade de vestibulares que eu resolvi fazer, não estou tendo tempo de ler quase nada além dos livros cobrados nos vestibulares :s

  5. Também gosto de revezar leituras mais pesadas com livros curtos. Estou de olho em Bonsai, mas com seu post fiquei muito a fim desse A Contadora de Filmes, tem a maior cara de que vou gostar! Beijinho e bom final de semana! =)

  6. Se a história é boa, o número de páginas não importa.
    Fiquei megacuriosa com esse Bartleby e já adicionei “A contadora de filmes” à minha lista. Com um nome desses e essa capa maravilhosa, como resistir?
    bjo!

  7. Tinha visto seu vídeo antes e não entendi direito o interesse em livros pequenos, mas está explicado. O mestrado é um momento bem delicado mesmo, e ainda mais fazendo tantas coisas. Mas eu não sei, não sou uma pessoa de histórias muito curtas, o que, pensando bem, pode ser porque nunca dei muitas chances, gosto de contos, mas em pequenas doses, gosto mesmo do “Romanção” ver a construção dos personagens e da atmosfera, e o melhor: passar um tempo ali com aquelas pessoas.
    PS: Depois de escrever isso vi que tudo o que coloquei é encontrado em “livros pequenos”, em bons “livros pequenos” 😉

  8. 1 – Esta capa do “A Contadora de Filmes” é simplesmente fabulosa, preço ótimo também. Lido teu post antes, teria usado meu cupom da Cultura nele, agora Inês é morta.

    2 – O Lady Macbeth, meses que eu o pego na livraria, olho, olho, olho, acabo não levando porque ele ainda não me namorou o suficiente. Mas um dia nossa relação será consumada.

    3 – O Bonsai é bom mesmo ou é fogo de palha?

    4 – Na linha livros curtos, lidos em uma sentada só, sugiro “Talvez Não Tenha Criança no Céu”. Tudo bem que o livro é meu, sou suspeito para falar. Mas a Anica fez uma resenha bem elogiosa no Meia Palavra, quem sabe não te convence: http://blog.meiapalavra.com.br/2012/05/30/talvez-nao-tenha-crianca-no-ceu-davi-boaventura/

    Abs

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s